Todolivo revoluciona o sector do olival obtendo 72 novas variedades muito produtivas

Estas variedades têm origem num ambicioso Programa de Melhoramento Genético que a empresa iniciou em 2007 em colaboração com a Universidade de Córdoba.

Panorâmica Centro de Investigação ‘La Mata’.

Início do Projecto

Lembro que no início, quando na Todolivo considerámos a possibilidade de realizar um Programa de Melhoramento Genético com a Universidade de Córdoba, também avaliámos se era melhor investir o nosso tempo na tentativa de estudar a cadeia de ADN da oliveira, para ver se, no futuro, poderíamos obter uma planta geneticamente modificada que fosse mais produtiva e resistente a uma praga ou doença específica.

No entanto, logo descartámos essa linha de trabalho porque, por um lado, não sabíamos quanto tempo levaria para obter o genoma da oliveira e, por outro lado, havia uma grande desconhecimento sobre os efeitos das plantas geneticamente modificadas e também porque era um assunto que provocava uma grande rejeição na opinião pública. É por isso que estávamos convencidos de que deveríamos tentar alcançar este melhoramento genético, mas de maneira natural.

O diretor geral do Todolivo, Raúl Aguayo, conta pessoalmente como nasceu e o que é o Programa de Melhoramento Genético iniciado por Todolivo em 2007.

Então, finalmente, em 2007, decidimos iniciar o projecto. Nesse sentido, em 2008, assinámos um acordo de colaboração com a Universidade de Córdoba para iniciar e desenvolver um ambicioso Programa de Melhoramento Genético; em particular, com a equipe de professores Diego Barranco, Luis Rallo e Concepción Muñoz, que eram especialistas de renome nesta área.

O objectivo era obter novas variedades, mais produtivas e tolerantes a doenças, o que, por sua vez, também nos permitiu obter Azeite Virgem Extra, com novos sabores e aromas frutados, utilizando, para isso, um método natural como a polinização nos cruzamentos. O compromisso a que nos vinculámos foi grande, dada a longa duração deste programa, o avultado investimento que teríamos que realizar e o grande dispêndio de tempo que teríamos de lhe dedicar. E tudo isso sem saber muito bem quais os resultados que iríamos obter. No entanto, a tudo isto se sobrepôs a ilusão que tínhamos em levar a cabo este projecto.

FASE I

Primeiros Cruzamentos

Então, começámos a trabalhar: a nossa primeira e importante tarefa era seleccionar os pais com os quais realizaríamos os futuros cruzamentos. Para esta eleição levámos em consideração muitos factores: não só escolhemos aquelas variedades que se destacaram pela alta produtividade, precocidade ou rendimento de gordura, mas também considerámos aquelas que apresentaram alta tolerância ou resistência a determinadas doenças ou cujos azeites se destacaram pela sua qualidade ou pelas características organolépticas mais apreciadas.

O próximo passo foi decidir que cruzamentos devíamos realizar entre eles e isso não foi uma tarefa fácil. Procurávamos não apenas que as novas variedades herdassem as melhores qualidades de seus pais, mas também que potenciassem essas qualidades nelas próprias. Sabíamos, por exemplo, que cruzando variedades muito produtivas poderíamos obter variedades ainda mais produtivas. Mas a coisa não era tão simples porque também tínhamos que levar em conta outros factores, como, por exemplo, a tolerância a doenças. Daí a sua complexidade.

Se, por exemplo, visse-mos que havia alguma variedade que nos interessava pelas suas qualidades agronómicas, mas que no entanto mostrava sensibilidade a uma determinada doença, tratávamos de a cruzar com outra que também era muito produtiva, mas que era resistente ou tolerante a essa doença para tentar que os seus descendentes herdassem essa qualidade, mantendo ou melhorando o restante dos pontos fortes dos pais. Outro factor de decisão importante que levámos em consideração na escolha dos cruzamentos foi seleccionar também os pais cujos azeites se destacaram pela qualidade e características organolépticas. Ficámos entusiasmados e motivados ao pensar que as novas variedades nos permitiriam obter azeites diferenciados, com novos sabores e aromas frutados, que expandiriam o actual menu de Azeite Virgem Extra no mercado.

Embolsamiento de la flor de la madre con el polen del padre para que ésta quede fecundada.

Uma vez escolhidos os cruzamentos, havia que realizá-los e obter as novas plantas. Os cruzamentos eram realizados naturalmente, através da polinização dirigida, que consiste em tirar o pólen do pai e introduzir dentro de uma saca fechada com a flor da mãe para garantir que seja fertilizada com aquele pólen. As azeitonas resultantes são colhidas, o caroço é retirado e a casca é cuidadosamente partida para extrair a semente. A semente é então plantada numa bandeja de alvéolos até à sua germinação, sendo posteriormente transferida para uma câmara de crescimento. Posteriormente, as mudas são transplantadas em vasos e o seu crescimento foi estimulado com recurso a luz contínua, fertirrigação e temperatura adequada, tendo em vista a redução do período de juvenilidade e assim atingir o tamanho e a maturidade necessários. Cada planta nascida é uma nova variedade. Nós nesta primeira fase do programa obtivemos 1.345 variedades.

1º Avaliação no campo e pré-seleção de 38 novas variedades

Mas isso foi apenas o início. Agora era necessário levá-las para o campo e fazer a sua primeira avaliação. Para isso, tivemos que expandir o nosso Centro de Investigação de Pedro Abad, comprando um terreno próximo, chamado “La Cruz de los Huertos”, onde em 2010 plantámos individualmente as 1.345 novas variedades obtidas nos cruzamentos. Durante 6 anos foram submetidas a uma avaliação exaustiva, e estudados, entre outros fatores, a sua precocidade, produtividade, resistência a doenças, teor de gordura e qualidade de seus azeites. De todas elas, apenas pré-selecionamos 38, que provaram ter melhor desempenho do que seus pais; as restantes foram eliminadas.

Bandeja de alveolos con la semilla plantada hasta su germinación.

Actualmente, as 38 variedades pré-selecionadas permanecem nesta parcela para que se acumulem anos de estudo (oito anos, ao dia de hoje). Os resultados obtidos nesta primeira avaliação foram surpreendentes e excitantes, já que algumas dessas pré-seleções tiveram até 6 pontos a mais de desempenho de gordura que os seus pais. Entre elas estavam algumas que floresceram e amadureceram mais cedo e outras que o faziam mais tarde. A sua tolerância a doenças também foi boa, como pudemos ver num ensaio que realizámos em Pedro Abad onde plantámos num solo infectado com Verticilium as 38 variedades pré-selecionadas, juntamente com outras variedades, entre as quais a variedade Picual. Esta variedade foi afectada por esse fungo a ponto de, em dois anos, nenhuma ter resistido. No entanto, nenhuma das 38 variedades pré-selecionadas mostrou qualquer sinal de terem sido afectados com Verticilium até ao dia de hoje.

Centro de Investigación ‘Cruz de los Huertos’.

2ª avaliação em campo

Depois desses resultados positivos, precisávamos de realizar uma segunda avaliação no campo. Esta segunda avaliação confirmou, agora de forma massiva, os excelentes resultados obtidos individualmente na primeira avaliação. Para isso, procedeu-se a multiplicação das 38 variedades pré-selecionadas por propagação vegetativa. Isto consiste em realizar uma divisão dos ramos de cada uma das novas plantas e, a em seguida, plantar estes fragmentos em vasos para desta forma obter irmãos gémeos de forma natural.

Também era necessário ter uma área suficientemente grande para abrigar este estudo, já que queríamos que os resultados obtidos fossem tão fidedignos ​​e significativos quanto possível. Como tínhamos todas as nossas fazendas ocupadas com outros testes, decidimos procurar e comprar uma nova fazenda para realizar este importante teste. Encontrámos uma fazenda adequada nas portas de entrada para o campo de Córdoba em Villafranca: “La Mata”, uma fazenda irrigada, com uma área de 32 hectares.

Para esta segunda avaliação em campo fizemos um desenho com 9 blocos repetidos, cada um formado com linhas completas das 38 variedades pré-selecionadas, e uma coleção mundial de 19 variedades muito produtivas, com as quais também seriam comparadas (entre elas seus pais). Realizámos a plantação em 2015 e, para surpresa de todos, um ano e dez meses depois, tivemos que efectuar uma colheita em boa parte das 38 variedades pré-selecionadas em função da quantidade de azeitonas produzidas com essa idade precoce.

Até ao momento, os resultados que estamos a obter são muito bons e a verdade é que as nossas expectativas não estão apenas a ser atingidas, mas superadas. Então, quando em pouco tempo esta segunda avaliação estiver concluída, as pré-seleções que passaram com sucesso a este teste irão estar disponíveis para os agricultores. No entanto, alguns clientes estão-nos já a pedir para experimentar nas suas fazendas essas 38 novas variedades que já estão registadas, efectivamente, planeámos plantá-las neste novo ano.

Uma das novas variedades obtidas com o Programa de Melhoramento Genético.

FASE II

Novos cruzamentos, 1ª avaliação no campo e pré-seleção de 34 novas variedades

Paralelamente, em 2009, iniciámos uma II Fase do Programa de Melhoramento Genético, no qual realizámos novos cruzamentos. Destes cruzamentos obtivemos 543 novas variedades, que plantámos e avaliámos individualmente na fazenda “Santa María”. Destas, nós pré-selecionámos 34, que são aquelas que superaram os seus pais em produtividade e mostraram tolerância ou resistência a certas doenças; As restantes foram eliminadas.

O passo seguinte, tal como fizemos na Fase I do Programa, foi realizar uma segunda avaliação de campo de forma maciça com as 34 variedades pré-selecionadas, mas, nesta ocasião, decidimos incluir na avaliação as 38 variedades obtidas na fase I do Programa de Melhoramento, o que acrescentou 72 novas variedades. Estas, por sua vez, iriam ser comparadas com uma maior seleção internacional de variedades. Também decidimos realizar essa avaliação não apenas em situação de rega, mas também em condições de sequeiro, a fim de obter uma maior quantidade de informação que nos permitisse obter melhores conclusões.

Uma das novas variedades obtidas com o Programa de Melhoramento Genético.

Em resumo, tivemos que avaliar, tanto em sequeiro como em situação de irrigação, um total de 102 variedades, das quais eram 72 provenientes dos nossos Programas de Melhoramento I e II, e 30 correspondiam a uma selecção internacional (Espanha, Tunísia, Marrocos, Argélia, Itália, Portugal e França), com as quais queríamos compará-las.

Então começámos a trabalhar: multiplicámos as plantas naturalmente, por propagação vegetativa, e comprámos duas novas fazendas para realizar o teste. Uma era ‘El Calderito Alto’, com uma área de 28,5 hectares, localizada junto ao Centro de Pesquisa de Olival ( Camarero/Calderito) em Seto, onde plantámos neste inverno em condições de sequeiro vários blocos com 102 variedades. A outra fazenda foi “Las Hazuelas”, que tem condições para rega e sequeiro e com uma área de 37 hectares, que está situada perto da “La Mata”. Em “Las Hazuelas” acabámos de completar o teste de sequeiro e fizemos outro igual, mas com rega. Para complementar este estudo, estamos a planear, no próximo Outono, plantar em Itália, na “zona zero” da Xylella, as 102 variedades para verificar a sua resistência a esta bactéria.

FASE III

Próximos cruzamentos

O nosso desejo de melhoria leva-nos a avançar com uma terceira fase do Programa de Melhoramento Genético, onde planeámos realizar novos cruzamentos que nos permitirão obter no futuro novas variedades também muito produtivas, mas com especificações muito concretas, como, por exemplo, maior capacidade de suportar condições climáticas extremas e / ou resistência a doenças específicas.

Conclusão

Concretizar este programa significou realizar um sonho e lutar para torná-lo realidade. É verdade que não se trata de um caminho fácil, o que exige uma boa dose de entusiasmo, paciência e uma grande determinação para levá-lo a bom termo. O Programa já dura há muitos anos, com exigência significativa de recursos humanos e investimentos de capital, bem como muitas dificuldades que tiveram de ser superadas neste trajecto, porque nem tudo foi feito correctamente. Alguns erros foram cometidos e tivemos que aprender com eles e tentar superá-los.

Uma das novas variedades obtidas com o Programa de Melhoramento Genético.

Lembro-me, por exemplo, de um pequeno erro que cometemos ao codificar a rotulagem de algumas das plantas propagadas na segunda fase do Programa. Esse incidente forçou-nos a repetir o processo: tivemos que propagar novamente essas plantas para garantir que elas viessem de pré-seleções específicas, o que atrasou o início do Programa em nove meses. Mas bom, qualquer erro também gera uma aprendizagem e estamos convencidos de que todo esse esforço no final terá valido a pena. De facto, os resultados que estamos a alcançar superam as nossas próprias expectativas e esperamos que num período muito curto de tempo este Programa beneficie tanto agricultores como consumidores.

7 Comments

  1. GRANDE TODOLIVO UM DOS PRIMEIROS OLIVAIS A SER CULTIVADO FOI O DA HERDADE DE VALE PICOTE FREGUESIA DE SANTO AMADOR.MOURA .PORTUGAL ANTES DE 2007 ,SEI DISTO PORQUE EU FOI UM QUE TEVE QUE CORRER HECTARES DE TERRA A PÉ PARA VER SE ESTAVAM TODAS AS OLIVEIRAS BEM PLANTADAS A ONDE O NOSSO CHEFE ERA O ENGENHEIRO RAUL BRAVO TODOLIVO

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.